Thursday, June 08, 2006

MODELO PEDAGÓGICO NÃO-DIRETIVO

Resumidamente pode-se classificar os modelos pedagógicos em três tipos, a saber: pedagogia diretiva, pedagogia não diretiva e pedagogia relacional. Subjacente a esses três modelos encontram-se três tipos de epistemologia que lhe dão sustento, respectivamente: empirismo, apriorismo e construtivismo.
Pedagogia diretiva e seu pressuposto epistemológico. Na aula que se fundamenta em uma pedagogia diretiva, o professor fala e o aluno escuta, o professor propõe atividade e o aluno a executa, o professor ensina e o aluno pressupostamente aprende. A epistemologia subjacente é denominada empirista por atribuir aos sentidos, e às experiências mediadas por eles, a fonte de todo o conhecimento. A concepção de aprendizagem nesse modelo baseia-se na apreensão de verdades e não na sua construção. A associação entre percepções e ações, isto é, o aprendizado pode ser visto como resultado de um processo de estímulo - resposta, de tentativa e erro. O reforço é tido como importante no processo de aprendizagem, isto é, a necessidade de repetição de uma tarefa para alcançar o aprendizado, também dá suporte a esse modelo epístemológico.
Pedagogia não-diretiva e seu pressuposto epistemológico. Nesse modelo o professor é um auxiliar do aluno, um facilitador. O aluno é visto como independente no seu processo de aprendizagem e detentor de um conhecimento e/ou de habilidades a priori que determinam sua aprendizagem. O professor deve interferir o mínimo possível, o professor não ensina, o aluno é que aprende. A epistemologia que dá sustento a essa pedagogia é classificada como apriorista, concebe o indivíduo como dotado de um saber de nascença o que justifica a ocorrência de alunos talentosos e de alunos fracassados.
Esse modelo é muito pouco freqüente em nosso meio, no entanto esse pré-conceito de alunos destinados ao fracasso e de alunos destinados ao sucesso está presente no senso comum.
Pedagogia relacional e seu pressuposto epistemológico. Na aula que se fundamenta em uma pedagogia relacional, o professor problematiza e o aluno age, estabelecendo-se em sala de aula um ambiente de discussão e construção de um novo conhecimento em que a interação aluno-professor é a base do processo de aprendizagem. A epistemologia subjacente é denominada construtivista por relacionar aprendizagem à construção de conhecimento, tarefa compartilhada entre professor e aluno. Ao professor cabe desestabilizar cognitivamente o aluno através da novidade. Ao aluno cabe, através de um processo endógeno complexo, passar de um patamar de conhecimento para outro, superior, através de assimilações e subseqüentes acomodações, num processo que finda temporariamente a cada acomodação, mas que frente a novos desafios se repete permitindo que o sujeito cognitivo atinja patamares cada vez mais elevados de conhecimento.

Ver Artigo Original


ESCOLA DE SUMMERHILL


A escola de Summerhill, nasceu em 1921, fruto da imaginação de um escocês A. S. Neill, que tinha princípios altamente liberais em matéria de Educação. Hoje, a escola continua sob a responsabilidade de Zoe Readhead, 52 anos, filha de Neill, continua o trabalho de seu pai apesar das ameaças do governo britânico.
O direito de aprender em Summerhill, baseia-se na filosofia de enriquecer as crianças e jovens, através de experiências diversas, passando a estes o forte sentido de responsabilidade, competências e sociabilização.
Esta escola simboliza uma escola alternativa, hoje com 79 anos de existência, sem ser subsidiada pelo Estado, fundada no livre arbítrio, existe atualmente 800 estabelecimentos com internato, que tem uma grande ligação com seus princípios sagrados.
Apesar de ser a única escola progressiva inglesa, os resultados dos alunos nos exames nacionais são razoáveis, pelos dados apresentados num artigo “Liberdade Ameaçada”, 75% dos alunos tiveram bons resultados nos exames finais.
Nesta escola, o relacionamento professor e aluno é baseado no respeito e compreensão, os professores são tratados por “tu”. Os alunos exercem o direito de aprender desde os 6 anos de idade. Não há idade para aprender, cada um tem o seu tempo.
A escola de Summerhill, é considerada a “mais velha democracia das crianças no mundo”, pois cada decisão sobre a vida da escola é tomada por eleições, onde as palavras dos adultos e das crianças são iguais.
As aulas funcionam no turno da manhã e da tarde; é oferecido recurso variado, que ficam a disposição do aluno. Os recursos vão desde mapas, livros, filmes, gravações e etc. Quando não estão na aula podem fazer qualquer coisa que lhes agradem, estudar sozinho, andar de bicicleta, ir a piscina. A única coisa não permitida é dormir de dia.
Ficam disponíveis Grupos de professores para transmitir outro tipo de conhecimento, não acadêmico, dependendo da curiosidade de cada um.

Ver Artigo Original


CONSIDERAÇÕES


Na proposta da pedagogia não diretiva considera-se os enfoques encontrados predominantemente no sujeito. O ensino centrado no aluno é derivado da teoria de Carl Rogers sobre personalidade e conduta, centrada no desenvolvimento da personalidade do indivíduo, em seus processos de construção e organização pessoal da realidade.
Com o advento da globalização, nota-se o abandono dos ideais coletivistas por uma busca em reforçar o individualismo e a desigualdade social das nações. Os problemas sociais avançam diariamente e criando-se a necessidade de se discutir sobre a formação de cidadãos humanizados, considerada esta uma das nobres tarefas da escola. Fica claro que a escola deveria ser o local para ensinar cidadania não somente na teoria como também na prática.
Para a implantação de um modelo não-diretivo, dever-se-á modificar a forma de pensar e agir de todo o conjunto de componente da estrutura educacional, fator este de grande complexidade. Na Escola de Summerhill, os alunos possuem independência em suas atividades, observa-se que os próprios alunos já realizam assembléias e decidem as regras, sendo desde cedo preparados para ser cidadãos.
Devido ao fato de a sociedade se encontrar muito envolvida com o modelo tradicional de ensino, a aplicação desta concepção será bastante complexa, por tender a desacomodar os métodos de ensino e gerar conflitos entre os meios participantes, sendo necessário que todos os agentes envolvidos se encontrem preparados e comprometidos com esta didática.
No Brasil esta abertura vem sendo efetivada aos poucos após o advento da nova Lei de Diretrizes e Bases - LDB, na qual estabelece que o aluno deve ser valorizado no seu contexto, sendo trabalhado para tornar-se um cidadão. Mas realidade brasileira não é rica de recursos como a escola britânica, as potencialidades ou habilidades individuais ficam comprometidas, barradas em hierarquias e na fraca estrutura para inserção em um processo diferenciado de participação.
Atualmente o exercício da docência obriga ao tutor possuir certos talentos e ser munido de grande criatividade, se tornando um ser atualizado e possuído de inúmeras qualidades, devido ao fato de estar concorrendo com meios de comunicação poderosos, como a Internet.
A própria introdução de tecnologias na educação, especialmente associadas ao uso de computadores, está provocando mudanças no paradigma educacional, onde o foco da aprendizagem deixa de ser o ensino e passa a se centrar no aluno. A adoção dessas novas tecnologias é caracterizada por fatores de ordem positiva, como a facilidade de acesso às informações, flexibilidade de apresentação e interação entre aluno e a máquina. A incorporação das maquinas nas atividades pedagógicas desenvolvem nos alunos o desejo de aprender a aprender, o entusiasmo pelo conhecimento, o prazer e a alegria da descoberta. Contudo é fundamental que o aluno compreenda o que está fazendo e por que está Fazendo, cabendo ao professor auxilia-lo nesta compreensão.

Sunday, May 14, 2006

Acompanhe a evolução da crise do gás boliviano

CRONOLOGIA DA CRISE

22.04 Governo do presidente Evo Morales, da Bolívia, completa três meses sob protestos. É acusado de não cumprir promessas eleitorais, como a nacionalização do gás e do petróleo
01.05 Morales decreta a nacionalização do setor de gás e petróleo e manda tropas militares ocuparem refinarias, inclusive a Petrobras. Essa invasão foi criticada pelas empresas e considerada marketing político
02.05 Lula diz que decisão da Bolívia é ato soberano do país e deve ser respeitadaPetrobras ameaça recorrer a tribunais internacionais para garantir seus direitos
03.05 Presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, anuncia em entrevista coletiva que a empresa estatal estava cancelando novos investimentos na Bolívia
04.05 Presidente Lula reúne-se com Morales, Hugo Chávez (Venezuela) e Nestor Kirchner (Argentina) para discutir a nacionalização, mas o encontro é criticado por não ter decidido nada sobre preço do gás e indenização à PetrobrasNuma entrevista em outro momento, Morales declara que, ao anunciar suspensão de investimentos na Bolívia, a Petrobras estava "chantageando" o país
05.05 Lula diz que a Bolívia precisa de ajuda, "não de arrogância", critica os defensores de uma postura mais dura e diz que o governo quer ajudar o país mais pobre da América do SulO presidente afirma que a Bolívia tem direito de aumentar o preço do gás, assim como a Petrobras deve defender seus interessesLula diz que não haverá aumento de preço para o consumidor brasileiro e, se for necessário, a Petrobras absorverá esse custoA Petrobras informa que dará 45 dias à Bolívia antes de procurar arbitragem em tribunal internacional
08.05 A Bolívia nomeia diretores para assumir a direção da Petrobras e de outras petrolíferasLula descarta "retaliação" e diz que negocia de forma "carinhosa". "Não vamos fazer retaliação a um país que é infinitamente mais pobre que o Brasil, um povo mais faminto que o povo brasileiro", afirma
09.05 Petrobras rejeita indicação de novos diretores para a empresa, anunciada no dia anterior pelo governo de La Paz, e diz que isso depende de mudanças na lei bolivianaA oposição a Lula no Brasil considera a atuação do país "frouxa" com a BolíviaO ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, diz que Lula não gostou da suposta interferência do presidente Hugo Chávez, da Venezuela, na decisão de nacionalização. "Foi transmitido ao presidente Chávez nosso desconforto e o desconforto pessoal do presidente Lula com algumas dessas ações", declara Amorim
10.05 Ministros de Minas e Energia do Brasil, Silas Rondeau, e de Hidrocarbonetos da Bolívia, Andrés Soliz Rada, e os presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, e da Yacimientos Petroleros Fiscales Bolivianos (YPFB), Jorge Alvarado, fazem reunião em La Paz para discutir os preços do gás
11.05 Evo Morales faz uma série de declarações polêmicas: diz que a petrobras operava ilegalmente na Bolívia, chama as petrolíferas de "contrabandistas" (subentende-se que a Petrobras esteja incluída), revela que não vai pagar indenização nenhuma e alega ter tentado conversar com Lula antes da nacionalização, mas teria sido barrado por assessores. Fala até que o Brasil comprou o Acre da Bolívia em troca de um cavaloO ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, responde e diz que o governo brasileiro ficou "indignado"Reportagem da revista britânica "The Economist" avalia que Lula foi "humilhado" por Hugo Chávez e transformado em um "espectador irrelevante" nesse episódio do gásNos bastidores, Lula diz que vê ação eleitoral de Morales e agora pensa em plano B, que seria ameaçar suspender a importação de gás da Bolívia, o que estrangularia a economia do vizinhoA Bolívia recua publicamente e diz que os diretores de petrolíferas nomeados no dia 8 só assumem após negociaçãoBrasil e Bolívia anunciam a criação de grupos técnicos de trabalho para tratar da atuação da Petrobras naquele país
12.05 O Brasil ameaça novamente recorrer à Justiça internacionalO ministro boliviano de Hidrocarbonetos, Andres Soliz Rada, afirma que a Bolívia não vai participar do Gasoduto do Sul (projeto que liga a Venezuela à Argentina) se a Petrobras fizer parteCelso Amorim (Relações Exteriores) responde que, sem o Brasil, não haverá gasoduto nenhumEm outra direção, Evo Morales baixa o tom, diz que não está expulsando a Petrobras da Bolívia e vai se reunir com Lula para um acordoO presidente em exercício da Bolívia, Álvaro García Linera, oferece às empresas de petróleo a garantia de regras duradouras, de segurança jurídica e espaço para lucroCelso Amorim diz que reação forte à Bolívia será tomada no momento adequado e não descarta retirar embaixador do Brasil de La Paz

Saturday, May 13, 2006

A Metodologia de Educação Digital


A disciplina vem a contribiur como novo processo de inclusão digital, desenvolvendo metodos relacionadas a processos de ensinos e de aprendizagem em ambientes digitais, numa perspectiva inter e transdisciplinar, Buscando inovação no campo investigativo relacionando à área de educação em interface com as demais áreas do conhecimento. Assim os metodos absorvidos contribuem para a compreensão e a criação de processos e produtos que possibilitem novas formas de convivência, incluindo comunidades virtuais, numa perspectiva crítico-humanizadora, alimentada pelo desenvolvimento da autonomia, da cooperação, do respeito mútuo e da solidariedade intelectual.

Onda de ataques do PCC em São Paulo



Ao menos 14 pessoas --entre eles policiais militares, civis, guardas civis-- foram assassinadas em São Paulo entre a noite de sexta-feira (12) e a madrugada deste sábado. A série de ataques seria uma resposta do PCC (Primeiro Comando da Capital) à decisão do governo do Estado de isolar líderes da facção criminosa.

Levantamento preliminar aponta que as vítimas são seis policiais civis, quatro policiais militares, dois guardas civis metropolitanos, um agente penitenciário e a namorada de um policial. Ao menos outras 15 pessoas ficaram feridas. Alguns suspeitos foram mortos em confrontos e outros acabaram detidos.

As ações ocorreram em diversas regiões da cidade e em alguns municípios do litoral e interior do Estado. Os ataques começaram horas após a transferência de líderes do PCC para uma unidade em Presidente Venceslau (620 km a oeste de São Paulo) e para a sede do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado), da Polícia Civil, em Santana (zona norte de São Paulo). Os policiais estariam investigando o planejamento de uma onda de crimes e rebeliões.
Entre os presos levados para o Deic estava Marcos Willians Herba Camacho, o Marcola, líder da facção. Os oito integrantes do PCC que estavam na unidade foram transferidos por volta das 8h30 deste sábado.

Leia artigo completo

Apresentação

Bem Vindos,

Me chamo Wander e este espaço é reservado para inserir textos e artigos e receber comentarios a respeito das aulas sobre paradigmas de apredizagem discentes e técnicas ministrada pela professora Maria Helena S. Bonilla para o curso de Atualização Docente da Academia Estadual de Policia - TO.